O dia de hoje.

Finalmente é hoje, o dia escolhido para apresentar o meu novo espaço  de integração na blogosfera. 
Vou deixar aqui registrado os meus escritos, os quais  voam nas asas da minha imaginação me fazendo viver e sonhar. 
-----------------------------------------------------------------------

 Setembro eu e você

Setembro chegou e me trouxe você.
Conversávamos minha amiga e eu, quando adentrou no pequeno recinto comercial, ele,  altivo,  exalando sensualidade,  passos lentos,  compassados, como os de um felino a espreita da sua presa.
Não era a mim quem ele procurava.
Não era a mim, mas ele me achou.
Tão logo nossos olhares se encontraram,
Sentimos que já tínhamos nos visto antes.
Verdade.
Uns anos antes nossos caminhos se cruzaram no clube que frequentávamos.
Na época a pergunta:
- porque não nos encontramos antes?
Encaixava-se perfeitamente bem no que estava para acontecer.
Só nossos olhares falaram...
Confesso que naquele momento não tinha a menor ideia da conspiração que todo o universo preparava para nós dois.

E a vida seguiu... Cada qual com os seus afazeres e responsabilidades.

Algum tempo depois...
Coincidências..... Armação do destino... Providência divina... Sei lá o que...
Eis que nos encontramos, agora dispostos a dizer sim aos nossos desejos e vontades, guardados sob sete chaves nos corações,
sem questionar de como seria os próximos capítulos da nossa história.
Para mim não existia impedimento e meu
Coração se curvou ao seu.
Dividimos  dor... Somamos amor... Diminuímos tristeza... Multiplicamos paixão.

O amor tudo coloriu como a festejar o nascer dos sonhos e desejos de seguir em frente até então cinzentos como as intempéries da vida.
Tudo ao nosso redor fazia sentido.
Mas...
Enquanto durou foi quimicamente fascinante.
Por longos anos nos escravizamos em nome do amor sem direito a carta de alforria porque assim são as tramas produzidas pelo próprio destino.
Entre idas e vindas... Procura,  ausência, resolvi me redimir com o tempo mesmo com a certeza de que o final poderia ser diferente do que foi, independente do que ou mesmo de quem, decidi que seria melhor assim  para nós dois, sem ter que pensar que mais cedo ou mais tarde poderíamos ter que pedir perdão.
- quando tudo terminou?
- não sei dizer.
Não quis guardar o mês que ele se foi.
Poderia dizer ao mês que não o amava, por que ele tinha levado alguém que me falava com os olhos...

Depois de tantos anos, ainda hoje me  lembro do presente que setembro trouxe para mim.
Amo setembro....... Amo você.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Buscando minhas raízes.